Raquel Seruca

envie a um amigo share this

Hereditary diffuse gastric cancer: updated clinical practice guidelines

Investigadoras do i3S definem orientações para síndrome rara de cancro gástrico

Um consórcio mundial de especialistas, do qual fazem parte três grupos de investigação do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S), acaba de publicar na revista científica Lancet Oncology as novas orientações internacionais de diagnóstico, prevenção e tratamento da Síndrome de Cancro Gástrico Difuso Hereditário (HDGC). O artigo surge na sequência da reunião de trabalho que juntou especialistas de todo o mundo (geneticistas, investigadores básicos, cirurgiões, profissionais de aconselhamento genético, oncologistas, nutricionistas, farmacologistas…

New molecular mechanism to explain cases of hereditary gastric cancer

The most common cause of Hereditary Diffuse Gastric Cancer are germline mutations of the CDH1 gene. The vast majority of CDH1 germline alterations lead to truncated forms of E-cadherin with loss of protein function.

Novo mecanismo molecular para explicar casos de cancro gástrico hereditário

A causa mais comum de cancro gástrico difuso hereditário são mutações germinativas do gene CDH1. A grande maioria das alterações germinativas de CDH1 induz a produção de formas truncadas da caderina-E com perda de função proteica.

Multidisciplinary research presents new protocol for the functional characterization of missense type mutations in the gene coding for the adhesion molecule E-cadherin.

Authors and Affiliations:

Soraia Melo 1,2,3, Joana Figueiredo 1,2, Maria Sofia Fernandes 1,2,4, Margarida Gonçalves 1,5, Eurico Morais-de-Sá 1,5, João Miguel Sanches 4 and Raquel Seruca 1,2,3

1 Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S), University of Porto, 4200-135 Porto, Portugal

2 Institute of Molecular Pathology and Immunology, University of Porto (IPATIMUP), 4200-135 Porto, Portugal

Investigação multidisciplinar apresenta protocolo para caracterização funcional de alterações do gene que codifica a proteína de adesão caderina-E

Um grupo de investigadores do i3S e do ISR-IST publicaram recentemente na revista International Journal of Molecular Sciences um trabalho que descreve uma plataforma de análise funcional da caderina-E em casos de mutações germinativas do gene e que está associado à forma hereditária de cancro gástrico e de cancro da mama, bem como a malformações congénitas como a fenda palatina. Especificamente, o grupo é responsável pelo estudo funcional de sequências variantes do gene que codifica a proteína caderina-E.

Blue intensity matters for cell cycle profiling in fluorescence DAPI-stained images

Authors and Affiliations

Ferro A1,2, Mestre T3, Carneiro P1,2, Sahumbaiev I3, Seruca R1,2,4, Sanches JM3

1 i3S - Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, Epithelial Interactions in Cancer (EpIC) Group, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

2 IPATIMUP, Institute of Molecular Pathology and Immunology, University of Porto, Porto, Portugal.

Blue intensity matters for cell cycle profiling in fluorescence DAPI-stained images

Autores e Afiliações

Ferro A1,2, Mestre T3, Carneiro P1,2, Sahumbaiev I3, Seruca R1,2,4, Sanches JM3

1 i3S - Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, Epithelial Interactions in Cancer (EpIC) Group, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

2 IPATIMUP, Institute of Molecular Pathology and Immunology, University of Porto, Porto, Portugal.

Specific inhibition of p110α subunit of PI3K: putative therapeutic strategy for KRAS mutant colorectal cancers

Authors and Affiliations:

Maria Sofia Fernandes1,2, Soraia Melo1,2,3, Sérgia Velho1,2, Patrícia Carneiro1,2, Fátima Carneiro1,2,3,4, Raquel Seruca1,2,3

Inibição específica da subunidade p110α da PI3K: possível estratégia terapêutica para cancro colorectal com mutações no KRAS

O cancro colorectal (CCR), que é uma das principais causas de morte por cancro em todo o mundo, está frequentemente associado a mutações ativadoras no KRAS levando à desregulação de vias de sinalização como RAS-RAF-MAPK e PI3K-Akt. As opções terapêuticas disponíveis para pacientes com CCR e mutações somáticas no KRAS são ainda muito limitadas tornando-se por isso urgente desenvolver novas abordagens terapêuticas. Assim, neste estudo demonstramos que a PI3K p110α tem um papel fundamental nas células de CCR com mutações no KRAS ou KRAS/PIK3CA.