Cancro Gástrico

send to a friend share this

Investigadoras do i3S definem orientações para síndrome rara de cancro gástrico

Um consórcio mundial de especialistas, do qual fazem parte três grupos de investigação do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S), acaba de publicar na revista científica Lancet Oncology as novas orientações internacionais de diagnóstico, prevenção e tratamento da Síndrome de Cancro Gástrico Difuso Hereditário (HDGC). O artigo surge na sequência da reunião de trabalho que juntou especialistas de todo o mundo (geneticistas, investigadores básicos, cirurgiões, profissionais de aconselhamento genético, oncologistas, nutricionistas, farmacologistas…

A glicosilação do CD44 na regulação da sua função no cancro gástrico

Os glicanos são estruturas polissacarídeas ligadas a proteínas ou lípidos que modificam as propriedades bioquímicas destas macromoléculas a nível estrutural e funcional. Em diversas patologias, perturbações nas vias de biosíntese da glicosilação podem levar à expressão de glicanos aberrantes, alterando funções de diversas proteínas. No cancro, estas estruturas podem conferir fenótipos agressivos como, por exemplo, invasão e migração.

O peso molecular do ácido hialurónico influência a sua interação com células do cancro gástrico via interação com o recetor CD44

O ácido hialurónico é um biopolímero que se acumula no ambiente tumoral, em especial à volta das células cancerígenas. Esta acumulação ocorre devido a alterações na síntese e degradação do HA, resultando na formação de cadeias poliméricas de diferentes tamanhos. Neste estudo, mimetizámos este peculiar microambiente tumoral (i.e. ácido hialurónico de diferentes tamanhos) e avaliámos a resposta de células de cancro gástrico.

Novos modelos 3D para melhor simular a glicosilação dos tumores

Sistemas tridimensionais (3D) reproduzem melhor as características in vivo do tumor, no entanto, os estudos in vitro do cancro têm sido tradicionalmente realizados usando métodos 2D. Neste estudo, publicado na revista Molecules, uma metodologia 3D de alta produtividade foi estabelecida para quatro diferentes linhas celulares de cancro gástrico. Esses modelos de cancro foram totalmente caracterizados, focando-se no perfil de glicosilação, uma vez que está descrito que modificações na glicosilação são alterações-chave no desenvolvimento e progressão do cancro.

Alterações da glicosilação de células tumorais estão associadas ao pior prognóstico de pacientes com cancro gástrico

Neste estudo foi possível identificar o papel de alterações de glicosilação específicas no comportamento de células de cancro gástrico e como estas contribuem para a progressão tumoral levando a um pior prognóstico dos pacientes. Era já conhecido que as células malignas apresentam alterações de expressão de glicanos com estrutura truncada. Nomeadamente, pacientes com cancro gástrico revelam ter um aumento de glicanos truncados, como por exemplo o Sialyl-Tn.

Lipid nanoparticles to counteract gastric infection without affecting gut microbiota

Authors and Affiliations:

Catarina Leal Seabraa,b,c,d, Cláudia Nunese, Manuela Brása,b,d, Maria Gomez-Lazaroa,b, Celso A. Reisa,c,d,f, Inês C. Gonçalvesa,b, Salette Reise, M. Cristina L. Martinsa,b,d

a i3S – Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, Universidade do Porto, Portugal

b INEB – Instituto de Engenharia Biomédica, Universidade do Porto, Portugal

Lipid nanoparticles to counteract gastric infection without affecting gut microbiota

A infeção por Helicobacter pylori é um dos maiores fatores de risco para o desenvolvimento de cancro do estômago. A antibioterapia disponível tem-se mostrado ineficaz em cerca de 20% dos doentes devido a várias razões, mas principalmente pelo aparecimento de estirpes bacterianas resistentes aos antibióticos disponíveis. Além disso, os antibióticos não possuem uma ação seletiva, desencadeando um efeito negativo na microbiota intestinal (bactérias responsáveis pelo bom funcionamento intestinal).

Novo mecanismo molecular para explicar casos de cancro gástrico hereditário

A causa mais comum de cancro gástrico difuso hereditário são mutações germinativas do gene CDH1. A grande maioria das alterações germinativas de CDH1 induz a produção de formas truncadas da caderina-E com perda de função proteica.

As várias faces do carcinoma hereditário difuso do estômago

Cerca de 3% dos casos de cancro gástrico são hereditários. Entre estes, o carcinoma hereditário difuso do estômago, causado na maioria dos casos por alterações germinativas do gene CDH1,  caracteriza-se pelo desenvolvimento de carcinoma difuso do estômago e lobular da mama, em vários indivíduos da mesma família. Os mecanismos de desenvolvimento e a evolução temporal desta doença não estão completamente esclarecidos: alguns focos de carcinoma permanecem indolentes, limitados à mucosa, enquanto outros tornam-se agressivos e extensamente invasores.

Investigação multidisciplinar apresenta protocolo para caracterização funcional de alterações do gene que codifica a proteína de adesão caderina-E

Um grupo de investigadores do i3S e do ISR-IST publicaram recentemente na revista International Journal of Molecular Sciences um trabalho que descreve uma plataforma de análise funcional da caderina-E em casos de mutações germinativas do gene e que está associado à forma hereditária de cancro gástrico e de cancro da mama, bem como a malformações congénitas como a fenda palatina. Especificamente, o grupo é responsável pelo estudo funcional de sequências variantes do gene que codifica a proteína caderina-E.