vesículas extracelulares

envie a um amigo share this

Alterações metabólicas associadas com o fenótipo de resistência a múltiplos fármacos em cancro e a sua transferência intercelular mediada por vesículas extracelulares

A resistência a múltiplos fármacos (RMF) é uma das maiores causas de falha terapêutica no tratamento do cancro. A RMF é devida sobretudo à sobre-expressão de bombas de efluxo de fármacos, tais como a glicoproteína P (P-gp). Para além da sobre-expressão de bombas de efluxo, existem outros mecanismos moleculares envolvidos no fenótipo de RMF, tais como alterações metabólicas. De facto, estudos recentes mostraram que é possível reverter o fenótipo de RMF por inibição da glicólise com moduladores específicos.

Glicosilação de vesículas extracelulares de células de carcinoma do ovário

As células produzem vesículas para o meio extracelular as quais apresentam uma composição característica de ácidos nucleicos, proteínas, lípidos e glicanos. As vesículas produzidas têm origem nos endossomas multivesiculares ou na membrana plasmática e são veículos de biomoléculas constituintes das células de origem para o meio extracelular, sendo encontradas em biofluidos humanos. As células tumorais também produzem vesículas extracelulares, as quais contém moléculas desreguladas na doença e constituindo, por conseguinte, alvos muito promissores para a identificação de biomarcadores.