Joana Paredes

envie a um amigo share this

A New In Vivo Tool to Evaluate Breast Cancer Stem Cell Activity – the CAM

We have established a in vivo limiting dilution assay (LDA) using the chick embryo chorioallantoic membrane (CAM), using a metastatic breast cancer cell model previously shown to be enriched for cancer stem cell (CSC) properties. This new tool was able to reproduce the same results found in mice, which is the gold standard method to evaluate CSC enrichment. Importantly, the chick model has several advantages, namely its easy handling, accessibility, rapid growth, lower costs and the absence of ethical and regulatory constraints.

Uma nova ferramenta experimental para avaliar a atividade estaminal de células de cancro da mama in vivo

Estabelecemos um ensaio de diluições limitantes utilizando a membrana corioalantóide do embrião da galinha (CAM), usando um modelo metastático de cancro da mama, no qual já foi demonstrado um enriquecimento em células com potencial estaminal. Com este novo ensaio  foi possível reproduzir os mesmos resultados encontrados no ratinho, o modelo  animal standard para a avaliação do enriquecimento estaminal em cancro.

BR-BCSC Signature: The Cancer Stem Cell Profile Enriched in Brain Metastases that Predicts a Worse Prognosis in Lymph Node-Positive Breast Cancer

BR-BCSC Signature: The Cancer Stem Cell Profile Enriched in Brain Metastases that Predicts a Worse Prognosis in Lymph Node-Positive Breast Cancer

O tempo e a qualidade de vida dos doentes oncológicos têm aumentado sensivelmente nos últimos anos com a introdução de melhores tratamentos sistémicos. Contudo, o aumento na sobrevida tem algumas consequências, nomeadamente no aumento da incidência de complicações metastáticas. Neste contexto, as metástases cerebrais são ainda consideradas a complicação neurológica mais frequente e temível, uma vez que são responsáveis por sintomas incapacitantes ou por morte precoce, estando bastante associadas a mau prognóstico.

P-cadherin induces anoikis-resistance of matrix-detached breast cancer cells by promoting pentose phosphate pathway and decreasing oxidative stress

Authors and Affiliations:

Bárbara Sousaa,b, Joana Pereiraa,b, Ricardo Marquesc, Luís F. Griloc, Susana P. Pereirac, Vilma A. Sardãoc, Fernando Schmitta,b,d, Paulo J. Oliveirac, Joana Paredesa,b,d

a i3S - Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, Universidade do Porto, Portugal

A expressão de P-caderina induz resistência à anoikis em células de cancro da mama independentes de ancoragem através da promoção da via das pentoses-fosfato e da diminuição do stress oxidativo

Uma nova descoberta, recentemente publicada na revista científica BBA- Molecular Basis of Disease, por investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, Universidade do Porto (i3S), e do Centro de Neurociências (CNC), Universidade de Coimbra, identifica o papel da molécula de adesão celular, P-caderina, como sendo responsável pela sobrevivência de células de cancro da mama em circulação, promovendo a formação de metástases.

 

Keep doing cancer research during the emergency state: more than ever we need to be united and to collaborate

Dear ASPIC members,

 

Continuar a fazer investigação em cancro durante o estado de emergência: mais do que nunca precisamos de estar unidos e de colaborar

Caros Sócios da ASPIC,

 

Actin stress fibers-mediated cell stiffening promotes the proliferation of pre-invasive breast cancer cells

In this study recently published in Nature Communications, the authors use a human breast cell line with conditional Src induction, breast tumor lesions and the in vivo model Drosophila melanogaster to show that cells undergo an actin stress fiber-mediated cell stiffening state prior to acquiring malignant features. This state promotes ERK-dependent cell proliferation, as well as, the progression towards a fully transformed state.

Enrijecimento celular mediado por fibras de actina promove a proliferação de células cancerígenas

Neste estudo, recentemente publicado na revista Nature Communications, os autores usam uma linha celular mamária com indução condicional de Src, tumores mamários e o modelo animal Drosophila melanogaster, para mostrar que as células sofrem um enrijecimento dependente da acumulação de stress-fibers, antes de adquirirem características malignas. Este estado promove a proliferação celular dependente de ERK, assim como a progressão até ao estado de completa transformação.